Webmail CUT

Acesse seu Webmail CUT


Login CUT

Acesse a CUT

Esqueceu a senha?

Fetram/SC exige respeito aos servidores e servidoras municipais de Criciúma

Entidade representante de 24 sindicatos de municipais de SC repudia postura do prefeito

Escrito por: Fetram/SC • Publicado em: 24/03/2021 - 18:18 • Última modificação: 24/03/2021 - 18:37 Escrito por: Fetram/SC Publicado em: 24/03/2021 - 18:18 Última modificação: 24/03/2021 - 18:37

. .

Não se imagina uma guerra sem soldados e, nesta guerra contra o Coronavírus, os primeiros combatentes são os servidores e servidoras do serviço público municipal. Estão na linha de frente atendendo a população e garantindo acesso à saúde pública, à educação, à assistência, às obras e em todos os setores da Prefeitura. 

Desde o primeiro dia de restrições, os trabalhadores públicos nunca pararam, tiveram que se adaptar às mudanças exigidas pela gravidade da pandemia e se desdobraram para atender a alta demanda dos serviços públicos, resultado da falta de políticas públicas e do sucateamento promovido por sucessivos governos.

Neste cenário, os combatentes do serviço público, que deveriam ser vistos como heróis e heroínas em nossa sociedade, estão sendo alvos de perseguição por diversos políticos e governantes.

Recentemente, o prefeito de Criciúma (SC), Clésio Salvaro, divulgou um vídeo decretando lockdown voluntário para os servidores e servidoras da cidade. A atitude desrespeitosa ganhou a mídia nacional e estadual, numa tentativa de colocar a população contra os servidores.

Lockdown é uma medida necessária, que tem como objetivo o fechamento de todas as atividades não essenciais, para garantir a diminuição da contaminação. A categoria não faz um pedido individual, mas uma luta coletiva que exige medidas sérias e responsáveis por parte do gestor municipal.

Desqualificar o lockdown como recurso de combate à pandemia para conter a contaminação, os doentes e as mortes é irresponsabilidade com milhares de vidas! E jogar a conta sobre os servidores é covardia. O Prefeito não pode deixar a pandemia se agravar, colocando em risco a vida das pessoas que momentaneamente governa.

Os trabalhadores e trabalhadoras querem condições sanitárias seguras para trabalhar, como: vacinação em massa, testes e garantia de um auxílio emergencial a toda classe trabalhadora de no mínimo R$600. Não aceitamos desrespeito de políticos que deveriam investir seu tempo em buscar ações sérias de combate ao coronavírus e renda para a população.

A Federação dos Servidores Municipais de Santa Catarina (Fetram/SC), entidade que representa 24 sindicatos de trabalhadores municipais de Santa Catarina, repudia esta postura do prefeito de Criciúma e está junto com os servidores e servidoras na defesa da vida! Seguimos em luta!

Título: Fetram/SC exige respeito aos servidores e servidoras municipais de Criciúma, Conteúdo: Não se imagina uma guerra sem soldados e, nesta guerra contra o Coronavírus, os primeiros combatentes são os servidores e servidoras do serviço público municipal. Estão na linha de frente atendendo a população e garantindo acesso à saúde pública, à educação, à assistência, às obras e em todos os setores da Prefeitura.  Desde o primeiro dia de restrições, os trabalhadores públicos nunca pararam, tiveram que se adaptar às mudanças exigidas pela gravidade da pandemia e se desdobraram para atender a alta demanda dos serviços públicos, resultado da falta de políticas públicas e do sucateamento promovido por sucessivos governos. Neste cenário, os combatentes do serviço público, que deveriam ser vistos como heróis e heroínas em nossa sociedade, estão sendo alvos de perseguição por diversos políticos e governantes. Recentemente, o prefeito de Criciúma (SC), Clésio Salvaro, divulgou um vídeo decretando lockdown voluntário para os servidores e servidoras da cidade. A atitude desrespeitosa ganhou a mídia nacional e estadual, numa tentativa de colocar a população contra os servidores. Lockdown é uma medida necessária, que tem como objetivo o fechamento de todas as atividades não essenciais, para garantir a diminuição da contaminação. A categoria não faz um pedido individual, mas uma luta coletiva que exige medidas sérias e responsáveis por parte do gestor municipal. Desqualificar o lockdown como recurso de combate à pandemia para conter a contaminação, os doentes e as mortes é irresponsabilidade com milhares de vidas! E jogar a conta sobre os servidores é covardia. O Prefeito não pode deixar a pandemia se agravar, colocando em risco a vida das pessoas que momentaneamente governa. Os trabalhadores e trabalhadoras querem condições sanitárias seguras para trabalhar, como: vacinação em massa, testes e garantia de um auxílio emergencial a toda classe trabalhadora de no mínimo R$600. Não aceitamos desrespeito de políticos que deveriam investir seu tempo em buscar ações sérias de combate ao coronavírus e renda para a população. A Federação dos Servidores Municipais de Santa Catarina (Fetram/SC), entidade que representa 24 sindicatos de trabalhadores municipais de Santa Catarina, repudia esta postura do prefeito de Criciúma e está junto com os servidores e servidoras na defesa da vida! Seguimos em luta!



Informativo CONFETAM

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.