Confetam/CUT convoca servidores municipais para o Dia Nacional de Lutas contra a Reforma Administrativa

29/09/2020 - 14:55

Atos e mobilizações em todo o Brasil selarão, nesta quarta-feira (30), a unidade dos servidores públicos das três esferas de governo e dos Três Poderes da República para barrar a PEC 32/20

A guerra em defesa dos serviços públicos ganha uma nova batalha, nesta quarta-feira (30), Dia Nacional de Lutas contra a Reforma Administrativa. Prevista na Proposta de Emenda Constitucional (PEC) nº 32/20, apresentada pelo presidente Bolsonaro ao Congresso em 3 de setembro, a Reforma acaba com a estabilidade dos servidores, diminui os concursos e desqualifica os trabalhadores do setor, favorecendo a corrupção, a perseguição política e a privatização do serviço público.

Com o apoio das principais centrais sindicais brasileiras, entre elas a Central Única dos Trabalhadores (CUT), servidores municipais, estaduais e federais, trabalhadores do Executivo, Legislativo e Judiciário, das empresas públicas e estatais, se unem nas ruas e em atos virtuais para pressionar parlamentares a se posicionarem contra a PEC 32.

Campanha permanente

As mobilizações integram a Campanha Nacional Permanente em Defesa das Estatais e do Serviço Público, que será lançada pelas centrais nesta quarta (30). A campanha também englobará a defesa de estatais e empresas públicas estratégicas para a soberania do Brasil, como a Petrobras, a Eletrobrás e os Correios, entre outras ameaçadas de privatização, como os bancos públicos.

A presidenta da Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal (Confetam/CUT), Vilani Oliveira, lembra que a campanha é fruto da Jornada Unitária em Defesa dos Serviços Públicos. Organizada inicialmente pelas entidades representativas dos servidores municipais e federais, a Jornada foi encampada pelo Fórum das Centrais Sindicais após a realização de dois seminários virtuais, o segundo deles com a participação da presidenta deposta Dilma Rousseff.

Primeira batalha campal

“Nesta quarta-feira, enfrentaremos a primeira batalha campal da guerra contra a Reforma Administrativa travada durante a pandemia, período em que os atos virtuais predominaram. Por isso, é preciso observar as condições de segurança sanitária para a retomada dos protestos presenciais”, recomenda Vilani Oliveira.

A dirigente convoca as federações estaduais e os sindicatos de servidores municipais de todo o país a organizarem atos, a pressionarem os deputados federais e senadores de suas regiões, e a debaterem em suas bases os prejuízos da PEC 32/20 aos usuários dos serviços públicos, que constituem a maioria esmagadora da população brasileira. 

Conquistar o apoio da sociedade

“Precisamos fazer o debate da Reforma Administrativa fluir desde as grandes Metrópoles até os pequenos municípios do Interior. Para trazermos a opinião pública para o nosso lado, será necessário todos entenderem que a PEC 32 não prejudica somente os servidores públicos, mas toda a sociedade. E o papel das entidades sindicais para atingirmos esse objetivo é fundamental”, enfatiza a presidenta da Confetam/CUT.